Ginástica laboral no CPMS incentiva a prática de exercícios

A ginástica laboral nas empresas surge como uma forma de trazer inúmeros benefícios à saúde e à qualidade de vida dos funcionários, atingindo, sobretudo, os aspectos físicos, psíquicos e sociais. Atrelado ao exercício físico, a ginástica possibilita, no ambiente de trabalho, a criação de um momento de descontração, leveza, mudança de rotina, melhoria das relações interpessoais e prevenção de possíveis doenças derivadas da ocupação profissional. Neste último tópico citado foi trabalhado principalmente o modelo de ginástica laboral compensatória com o viés de agir a musculatura corporal evitando o aparecimento de LER’s/DORT’s (Lesões por Esforços Repetitivos/Distúrbios Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho). Além de impactar a melhoria do clima organizacional, proporciona, ainda, ergonomia no trabalho, e aumenta a produtividade.

Pensando em todos os fatores descritos, no mês de agosto, o professor de Educação Física e o Técnico de Segurança do Trabalho da Socializa atuaram utilizando exercícios de alongamento e flexibilidade da ginástica laboral com os colaboradores do Conjunto Penal Masculino de Salvador (CPMS). Nessa prática foram enfatizados os músculos dos membros inferiores, superiores, da coluna vertebral, e mobilidade das mãos e tornozelos, trazendo uma vivência relaxante para os funcionários, aliviando possíveis tensões musculares, e deixando o clima mais descontraído. Buscou-se incentivá-los também à prática de atividade física para que permaneçam com o ritmo ativo mesmo fora do ambiente de trabalho, ressaltando os inúmeros benefícios para a saúde humana.

Ao todo a ação abrangeu os diversos setores organizacionais, mesmo com a peculiaridade da rotina do sistema prisional. A ginástica laboral foi conduzida por equipes, com duração média de 10 a 15 minutos, sem atrapalhar a logística operacional e as demandas dos colaboradores, alcançando inicialmente mais de 50 funcionários. A prática seguiu, ainda, todos os protocolos de prevenção e combate ao novo coronavírus, conforme recomendações do Ministério da Saúde e Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização.