FEIRA DE ARTESANATO DO CPI FOI ENCERRADA COM SUCESSO NO SHOPPING JEQUITIBÁ

“A parceria com o Jequitibá, que se renova por seis anos, demonstra também uma preocupação deles com a questão social, o que é muito bom para o nosso trabalho institucional. Trabalhamos com recuperação, reintegração de seres humanos na sociedade, e o Jequitibá tem sido sensível a esse trabalho” [Gabriella Gonçalves – Coordenadora dos cursos]

 

Pelo sexto ano, foi realizada a Feira de Artesanato do Conjunto Penal de Itabuna (CPI) no Shopping Jequitibá. Iniciada na quarta-feira (12), a feira seguiu até o domingo (16), com dezenas de opções de presentes, ideais para o período natalino e para decoração durante todo o ano.
O evento foi um grande sucesso, tanto na comercialização dos produtos, quanto na divulgação do trabalho de ressocialização sustentável do CPI e na relação institucional com o Shopping Jequitibá, permitindo uma maior aproximação com a sociedade.
As peças foram confeccionadas por reeducando que cumprem pena no CPI, em diversos cursos profissionalizantes – a exemplo de corte-costura e artesanato em diversas modalidades.
Os artesanatos foram trocados por produtos como leite em pó e fraldas geriátricas, que serão posteriormente doados  a instituições que acolhem idosos em situação de risco ou abandono.
“Foram muitas opções de presentes para casa e escritório, objetos de decoração para serem usados em qualquer época”, afirma a terapeuta ocupacional Gabriella Gonçalves, que coordena os cursos que são ministrados aos reeducandos.
Jequitibá
A estratégia de expor no shopping Jequitibá se explica pelo fato de ser o maior centro de compras regional, que recebe clientes de dezenas de municípios de várias regiões – sul, sudoeste, baixo-sul e extremo sul – o que corresponde a um potencial muito grande de visibilidade.
“A parceria com o Jequitibá, que se renova por seis anos, demonstra também uma preocupação deles com a questão social, o que é muito bom para o nosso trabalho institucional. Trabalhamos com recuperação, reintegração de seres humanos na sociedade, e o Jequitibá tem sido sensível a esse trabalho”, reforça Gabriella Gonçalves.

ita4

ita3

ita2